terça-feira, 27 de agosto de 2013

BANQUETE DE AMOR



BANQUETE DE AMOR

Arranco o bater do teu coração e colo-o ao meu,
junto algum sal das lágrimas que correm na distância de nós os dois,
misturo-lhe algum do sol que colho no teu olhar,
acrescento-lhe a paixão pelo luar
abraço tudo num abraço só nosso…
Desmancho-me em sorrisos,
acrescento-me olhares teus,
misturo com palavras doces,
que em corridas loucas
saem de dentro das nossas bocas
Rolamos debaixo do céu
ama-mo-nos
abraçando tudo que em nós se pode abraçar
colhemos frutos silvestres um no outro
abandonando-nos
ao que esperámos e desejámos,
quisemos com toda a nossa força
(sem)tida
num amor que é só meu…


 
Adelina Charneca- Portugal


*****

BANQUETE DE AMOR

Arranco el batir de tu corazón y lo pego a mí,
reúno sal de las lágrimas que corren en la distancia de nosotros dos,
mezclo algo del sol que arranco en tu mirada,
le añado la pasión por la luz de la luna
abrazo todo en un abrazo solo nuestro.
Me deshago en sonrisas,
añado miradas tuyas,
las mezclo con palabras dulces
que en carreras alocadas
salen de nuestras bocas.
Rodamos bajo el cielo
nos amamos
abrazando todo lo que en nosotros se puede abrazar
cogemos frutos silvestres el uno del otro
abandonándonos
a lo que esperamos y deseamos,
nos quisimos con toda nuestra fuerza
(sen)tida
en un amor que es solo mío…

 
Adelina Charneca
Poema inédito
Traducción al español: Ana Muela Sopeña

2 comentários:

Ana Muela Sopeña disse...

Adelina, é belo o teu poema de amor. Foi um prazer traduzir ao espanhol.

Boas-vindas a este espaço de poesia em língua portuguesa e língua espanhola.

Espero que te encontres a gosto aqui.

Parabéns por estes versos cheios de sentimentos.

Beijos
Ana

Adelina Charneca disse...

Ana eu é que te fico eternamente grata por ter a partir de hoje a minha poesia tão cuidadamente traduzida para a língua de Cervantes que eu tanto amo!
(A minha Pátria é a língua Portuguesa,F.P.)
mas a beleza do mundo não se resume à minha Pátria ela esta na diversidade e no conjunto da humanidade!
Bem Hajas Ana por amares assim a poesia e seres um ser humano que se importa com o que vai pelo mundo!
Adelina Charneca